Blog - Eu não sou um homem fácil

No Vale a pena ver dessa semana, “Eu não sou um homem fácil”! Ele estava na minha lista do Netflix há algum tempo, já tinha visto algumas pessoas comentando que tinham visto, mas só agora consegui parar para ver.

 Sobre o que “Eu não sou um homem fácil”

“Eu não sou um homem fácil” é um filme que retrata a realidade de um homem machista, e um tanto quanto galinha, que após uma pancada na cabeça (bem clichê mesmo) acorda em um mundo dominado pelas mulheres.

A história se passa toda mostrando o estranhamento dele com essa realidade e como isso vai modificando o seu comportamento e percepções.

Esse filme é francês, de 2018 e está disponível no Netflix.

O que eu achei do filme

Achei a ideia do filme bem interessante, abordar como seria se os papéis fossem invertidos na realidade. O “Eu não sou um homem fácil” acaba abordando assunto como relações de trabalho, relação com o próprio corpo e com o corpo alheio, assédio, responsabilidades domésticas e por aí vai…

No entanto, alguns pontos acabaram por mexer mais com a minha reflexão. Por exemplo, questionar o que consideramos “normal” em relação a uma mulher e o que consideramos “normal” em relação a um homem. Outro ponto é a nossa relação com o corpo e com a nudez (nossa e alheia). Nesse filme, para mim, causou um primeiro estranhamento ver mulheres assumindo posturas consideradas de homens, como por exemplo, andar sem camisa em casa. E é quando vem aquele estranhamento com o nosso próprio estranhamento: por que não considero isso normal? Em que momento fui ensinada que isso seria errado?

É claro que o filme apesar da crítica, se propõe a ser um filme de comédia, leve. Então, não espere críticas profundas. Eu, particularmente, não vi muito sentido em todas as “trocas” que eles fizeram. E achei que muitas passagens foram bem caricatas. Acho que acaba tendo muitos furos, mas ao mesmo tempo acredito ser um bom filme para o que ele se propõe a fazer.

E no final disso tudo, o que para mim ficou mais palpável do filme é o questionamento e reflexão: essa ideia de “fragilidade feminina” até que ponto não é apenas uma construção social?

Ponto alto para o final do filme, em que vemos que aquela realidade tão sofrida para o homem ao longo de toda trama, é na verdade a realidade das mulheres no mundo real!

Fica aí a reflexão para vocês também! E assistam, porque vale a pena!

 

[Vale a pena ver] Eu não sou um homem fácil
Classificado como:                

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Coaching e Psicologia para Mulheres