Um relato sobre ansiedade

Para aquelas que tem ansiedade ou convivem com alguém que tenha, segue texto feito por uma cliente.

Um relato autêntico e condizente com todo o caminho que ela tem trilhado na sua vida e, consequentemente, na terapia. Texto para alertar, acolher, emocionar e fazer pensar…

“E quando me falta voz para dizer o que sinto, opto por escrever e palavrear o que se passa por aqui.

Por muito tempo, eu acreditei que ser ansiosa era sentir um frio na barriga antes da chegada de um momento esperado, ou as famosas borboletas no estômago quando aquele beijo se aproximava, ou talvez aquele suor nas mãos antes de falar em público, aquele choro quando falei no microfone a primeira vez.

Com o tempo descobri que a ansiedade vai além e muito além do que ousei pensar, nossa convivência tornou-se maior dia após dia, e a cada dia era mais difícil reconhecê-la em situações banais, eu achava que eu era sempre impotente e nada mais estava acontecendo, eu era apenas inútil.

Descobri que ela caminha comigo todos os dias durante todo tempo, onde eu a encontrei? Nas noites de sono que perdi, na tensão muscular depois de uma crise, num turbilhão de pensamentos que não param nem enquanto eu durmo, no meu cansaço diário e infindável, no meu baixo rendimento estudantil e nas minhas pernas inquietas que todos sempre reclamam.

Menina, o que você sentiu quando encontrou? Tive raiva, tive medo, chorei e por fim, busquei entender que eu não a escolhi, mas ela me escolheu. Mesmo não sendo responsável por ela, preciso saber conviver, lidar, como dribla-lá por algumas horas ou alguns dias, como pais que deixam seus filhos com os avós para ter um tempo juntos.

Lidando com ela, aprendi que existem limites e que esses diferem de pessoa pra pessoa, conheci o meu limite. Aprendi na marra, por necessidade, que às vezes é preciso ser egoísta e isso não está errado. Descobri que cuidar de mim mesma é difícil e muitas vezes desgastante, o caminho do autoconhecimento é longo, dolorido, mas te leva até a verdade de quem somos, verdade que pode ser compartilhada com o mundo ou só com você.

Com a ansiedade, eu soube que o passa pela nossa cabeça nem sempre é saudável, aprendi que saúde mental é mais do que dizem os posts no Instagram e no Facebook.

Eu entendi que para ser saudável eu precisaria travar uma batalha comigo mesma todos os dias e vencer quase todas as vezes. Há batalhas que ainda são difíceis demais de se vencer.

A ansiedade me levou a lugares que eu muito julguei e desqualifiquei, ela me levou a caminhos sombrios e doloridos, que no final me marcaram de infinitas formas diferentes. Tenho marcas físicas, psicológicas e aquela que está escrita na caixa do remédio também.

Com a chegada dessa última, eu vi que é preciso pedir ajuda e se deixar ser ajudado.

As pessoas precisam conhecer a sua dor, mesmo que você tenha vergonha de dizer ou mostrar, as pessoas precisam ver as suas lágrimas caírem e todos os buracos que se abriram em você, só então vão pode estender a mão. É dolorido, mas vai passar.

A angústia que carrego no peito tem altos e baixos, gosto muito dos baixos, porque são os meus momentos de plena alegria onde nada mais importa a não ser estar em paz.

Essa sensação de que tem algo entalado na minha garganta passa quando um amigo me dispõe um ombro pra chorar, quando um abraço me é dado ou quando nada preciso dizer ou pedir, e recebo amor.

Às vezes, eu não tenho palavras, eu não sei explicar, eu não sei o que fazer e tenho a plena sensação de estar perdida e sozinha. No fundo, eu sei que eu e a Sra Ansiedade vamos andar juntas por estradas mais leves e menos cansativas, alcançaremos um equilíbrio tão esperado, e que apenas eu e ela saberemos o quão difícil foi chegar até ali.”

A fim de preservar a identidade da cliente, nomes não serão citados. O texto acima está na íntegra. Os grifos são meus.

Um relato sobre ansiedade

2 ideias sobre “Um relato sobre ansiedade

  • 10 de maio de 2018 em 22:39
    Permalink

    A ansiedade realmente é muito difícil de lidar. No começo você acha que é “frescura”, depois você acha que é “psicológico”…. Até você ter algumas crises e ter quer procurar ajudar médica, porque não está influenciando apenas no seu meio social, e sim na sua saúde. Hoje eu tenho conhecia que sofre de Ansiedade, estou aprendendo a lidar… Estou vivendo um dia após o outro… Mas tem dias, que parece que não vai dá pra aguentar…. Mas aí o dia passa, e o outro surge… E eu percebo que tudo passa, literalmente!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *